Vigilância epidemiológica descarta surto de meningite em Criciúma

3

A vigilância epidemiológica da prefeitura de Criciúma descarta que o município esteja passando por um surto de meningite. Nas últimas 24 horas, duas crianças vieram a óbito: uma de sete meses teve confirmada a bactéria da meningite e a outra, de um ano e cinco meses, teve o primeiro exame de sangue negativo para a doença.

Ambos os meninos frequentavam o Centro de Educação Infantil Aníbal Maria di Francia, no Bairro São Francisco. A unidade foi fechada por tempo indeterminado por ordem da secretaria de Educação. Pela segunda suspeita de meningite em um curto período de tempo, a vigilância optou por ampliar as doses de medicação profilática para todos os frequentadores da creche e não apenas àqueles que dividiam a sala com as vítimas.

- Anúncio -

De acordo com Michele Hilário, coordenadora do setor de agravos da vigilância, o caso de segunda-feira não tem relação com outra morte por meningite em agosto do ano passado, na mesma unidade de educação. “Não tem relação, a bacteria é transmitida pelo ar, mas se dá por gotículas. Qualquer pessoa saudável pode ter a bacteria e pode transmitir para alguma pessoa com imunidade mais baixa”, explica.

Os dois casos

O bebê de sete meses foi encaminhado no domingo à tarde ao Hospital Materno Infantil Santa Catarina (HMISC), com febre alta. Ele apresentou agravamento dos sintomas e veio a óbito na manhã da segunda-feira. Foi diagnosticada a presença da bacteria da meningite, mas a causa da morte foi por meningococcemia, um quadro mais grave da doença.

Na madrugada desta terça-feira, o menino de um ano e sete meses foi internado no mesmo hospital, também com febre alta e apresentou a mesma evolução rápida dos sintomas, falecendo nesta manhã. Apesar da negativa prévia do laboratório de Criciúma para a bacteria da meningite, a hipótese só pode ser descartada quando tiver o resultado do Laboratório Central de Saúde Pública (Lacen), em Florianópolis.

A vigilância epidemiológica afirma que está atenta aos quadros da doença na cidade e que já tomou todas as medidas preventivas, tanto no hospital quanto na creche que as duas crianças frequentavam.

Fonte: 4Oito

Por: Deivis W. Fernandes / RCNoticia