Home Destaque na ONU Jovens acionam legalmente cinco países por mudanças climáticas, Brasil está...

na ONU Jovens acionam legalmente cinco países por mudanças climáticas, Brasil está na lista

Dezesseis jovens, incluindo a ativista sueca Greta Thunberg, anunciaram nesta segunda-feira (23/9) uma nova ofensiva, desta vez no campo legal, ao denunciar a inação de líderes mundiais como uma violação da Convenção das Nações Unidas sobre os Direitos da Criança.

Embora representantes dos países denunciados, entre eles o Brasil, tenham assinado esta convenção há 30 anos, comprometendo-se a proteger a saúde e os direitos das crianças, eles “não cumpriram suas promessas”, declarou a sueca à margem da cúpula climática da ONU, na qual voltou a condenar a inação diante da emergência climática.

- Advertisement -

Quase todos os países, com exceção dos Estados Unidos, ratificaram esta convenção para proteger a saúde e os direitos das crianças. Mas “violaram todos nós e negaram nossos direitos. Nosso futuro está sendo destruído”, acrescentou Alexandria Villasenor, apelidada de a ‘Greta Thunberg’ americana.

Na prática, esta denúncia sem precedentes de jovens com idades entre 8 e 17 anos, dirige-se a cinco países poluentes: Brasil, França, Alemanha, Argentina e Turquia. Os jovens são de 12 países diferentes e contam com a ajuda do escritório internacional de advocacia Hausfeld e o apoio do Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef).

A denúncia se refere a um “protocolo opcional” pouco conhecido da convenção: desde 2014, que autoriza as crianças a apresentarem queixas perante o Comitê de Direitos das Crianças da ONU, se considerarem que seus direitos foram violados.

O comitê deverá investigar as supostas violações e depois fazer recomendações aos países para suspendê-las.

As recomendações são vinculantes, mas os 44 países que ratificaram este protocolo estão de acordo em princípio a respeitá-las, explicou Michael Hausfeld, que espera que se emitam diretrizes nos próximos 12 meses.

Os cinco países incluídos na queixa ratificaram o protocolo, mas estão entre os mais contaminantes do mundo e são influentes no seleto clube de países ricos e emergentes do G20.

Por este motivo foram incluídos no lugar de Estados Unidos, China e Índia, os maiores emissores de poluentes do mundo, mas que não ratificaram o protocolo.

Antigos países industriais, como França e Alemanha, são responsáveis por grande parte das emissões na história, apesar de atualmente não serem os maiores emissores de gases de efeito estufa, argumentou o gabinete Hausfeld.

Fonte: Notisul

Por: Deivis W. Fernandes / RCNoticia

- Anúncio -