Governo de SC vai pedir estudo específico sobre eixos das pontes Pedro Ivo e Colombo Salles

9

O governo de Santa Catarina anunciou nesta quarta-feira (20) que vai pediu um laudo específico sobre os eixos de sustentação das pontes Pedro Ivo Campos e Colombo Machado Salles, em Florianópolis. Uma vistoria feita por engenheiros da Secretaria de Estado da Infraestrutura e Mobilidade indicou a necessidade de uma análise dessas partes. O governador, Carlos Moisés (PSL), destacou que não há risco de queda das estruturas.

A restauração das duas pontes começou em abril deste ano com base em uma análise de 2015. Porém, segundo a Secretaria de Estado da Infraestrutura, esse estudo não contemplava a parte dos pilares e blocos de concreto que ficam em contato com o mar.

- Anúncio -

Deterioração

A parte de baixo de alguns desses blocos de concreto preocupa o governo. Cada eixo tem o pilar, que une a parte onde passam os veículos com o bloco de concreto. Abaixo deles, estão as estacas, que normalmente não ficam à mostra, mas podem ser vistas em alguns dos eixos mais problemáticos.

Em três blocos de concreto da Ponte Colombo Salles e outros três da Pedro Ivo, aparentemente a deterioração é maior. O governo quer um laudo detalhado e um projeto para reparar os eixos. Para que haja rapidez no processo, houve dispensa de licitação.

Imagem mostra deterioração em bloco de contro do eixo 7 da Ponte Pedro Ivo Campos, em Florianópolis — Foto: Governo de Santa Catarina/Divulgação

“O nosso objetivo de fazer uma intervenção urgente é no sentido de obtermos um laudo. Por isso, a necessidade premente não da intervenção, mas sim de um laudo que nos dê um diagnóstico muito mais preciso, com ultrassom ou com retirada do corpo de prova, que nos apresente qual a extensão do dano estrutural e também que tipo de intervenção, um projeto que defina que tipo de intervenção o governo precisa fazer para tornar essas pontes perenes”, disse o governador.

Ele também falou sobre custos. “O laudo em si e o projeto a gente estima em R$ 900 mil, mas efetivamente a execução desse projeto, aí só saber o tipo de intervenção. Isso só o estudo vai nos informar”, complementou Moisés.

Fonte: G1 SC

Por: Deivis W. Fernandes / RCNoticia