‘É um cenário pós-guerra’, diz prefeito de cidade atingida por ‘ciclone bomba’ em SC

1021

Juliano Duarte Campos prefeito de Governador Celso Ramos, estima que pelo menos 3 mil imóveis tenham ficado danificados pela força do vento. Um homem de 59 anos morreu no município.

- Anúncio -

Governador Celso Ramos, na Grande Florianópolis, foi uma das mais devastadas pelo “ciclone bomba” que atingiu Santa Catarina. O prefeito Juliano Duarte Campos na sexta-feira (3) que pelo menos 3 mil residências foram atingidas — a cidade tem 14.471 habitantes, conforme estimativa do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Um pescador de 59 anos morreu no município durante o temporal. Na quarta-feira (1º), a administração local decretou situação de calamidade pública.

“De 30 a 40 residenciais foram implodidas, deixaram de existir. Só tem o fundamento, a gente tá perplexo, porque não se acha nada. (…) Tem casas que não existem mais. É um cenário pós-guerra”, disse o prefeito.

Dois dias após a passagem do fenômeno pelo estado, equipes da prefeitura permaneciam nas ruas realizando a limpeza das vias e fazendo a orientação do trânsito.

De acordo com o prefeito, duas unidades de saúde e seis escolas ficaram destruídas pela força dos ventos e precisaram ser interditadas. Pelo menos 24 carros da prefeitura foram danificados e 11 barcos foram retirados do mar.

Outras repartições públicas também ficaram danificadas, como a Secretaria de Assistência Social, o Ginásio Municipal de Esportes, a delegacia e base da Polícia Militar.

O prefeito afirmou que vai pedir recurso ao governo federal para reconstrução dos prédios.

Além do prejuízo material, o abastecimento de energia elétrica também foi afetado. Na manhã de domingo, 7 mil dos 12 mil imóveis do município permaneciam sem luz, conforme monitoramento da Celesc.

R$ 1 milhão dos cofres municipais serão destinados à reconstrução dos imóveis. Os moradores que tiveram a casa danificada devem procurar a Secretaria de Assistência Social para se cadastrar. Um carro de som vai percorrer as vias da cidade com orientações à população, segundo ele.

“Nós estamos aguardando o apoio do governo do estado e do governo federal para restabelecer a vida normal dessas pessoas. Ficamos chocados com o tamanho do desastre que aconteceu”, disse o prefeito.

Ainda não há informações sobre quantidade de materiais que serão utilizados para a reconstrução da cidade.

Em Santa Catarina, ao menos 135 municípios foram atingidos pelos ventos que chegaram a passar dos 130 km/h em algumas regiões, e dez pessoas morreram, segundo levantamento da Defesa Civil.

O presidente Jair Bolsonaro sobrevoou Santa Catarina no sábado (4) e prometeu ajuda ao Estado para recuperação dos estragos.

Fonte: G1 SC

Por: Gelson Padilha / RCNoticia