Bolsonaro convida oncologista Nelson Teich para Ministério da Saúde

19

O presidente Jair Bolsonaro convidou o oncologista Nelson Teich para assumir o Ministério da Saúde. Os dois tiveram uma audiência pela manhã. De acordo com duas fontes ouvidas pelo GLOBO, o médico já aceitou o convite e deve ser anunciado ainda nesta quarta-feira. Luiz Henrique Mandetta anunciou em uma rede social sua demissão, que deve ser publicada em edição extra do Diário Oficial da União nesta quinta-feira. Segundo integrantes do governo, a posse do oncologista está prevista para semana que vem.

A informação do convite também foi confirmada ao GLOBO pelo presidente da Associação Médica Brasileira (AMB), Lincoln Lopes Ferreira.

- Anúncio -

Ele aceitou e a AMB está dando apoio a ele – disse.

O presidente da entidade acompanhou Teich no encontro com o presidente nesta manhã. Também participaram da conversa Diogo Leite Sampaio, vice-presidente, e José Bonamigo, diretor.

Em nota, a AMB disse apoiar a escolha do oncologista, “pelo seu perfil altamente técnico, importante para o momento como atual”.

“Na AMB referendamos o nome de Nelson Teich. É um nome que conta com nosso total apoio, e pelo qual temos muita simpatia.  Respeitado na classe médica, eminentemente técnico, gestor e altamente preparado para conduzir o Ministério da Saúde”, diz a nota

Inicialmente, o oncologista havia pedido um tempo para pensar e consultar familiares. Pouco tempo depois, Teich avisou que aceitava o convite de Bolsonaro. A expectativa  terá uma nova reunião ainda na tarde desta quinta-feira no Palácio do Planalto.

O ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, foi chamado pelo presidente, para uma reunião na tarde desta quinta-feira. O próprio Mandetta anunciou mais cedo que esperava ser demitido entre hoje e amanhã, após várias divergências públicas com Bolsonaro na estratégica de enfrentamento à epidemia de covid-19. Segundo o balanço de quarta-feira do Ministério da saúde, o novo coronavírus já infectou 28.320 pessoas no país, matando 1.736.

Em reunião com o presidente mais cedo, o oncologista  declarou, segundo participantes, que é “equívoco” saúde e economia não trabalharem juntos no combate do novo coronavírus.  O médico também fez sugestões para que o governo comece a divulgar diariamente os dados de pacientes curados de Covid-19, numa tentativa de “acabar com o pânico” e de “dar um ar de esperança” aos infectados.

No encontro, Teich afirmou que “a saúde não vive sem a economia e que a economia não vive sem a saúde” e emendou que é um “equívoco” as duas áreas não trabalharem juntas”. Nelson Teich aproveitou a reunião para contar que se formou em economia com especialização em Harvard (EUA). Ele passou a imagem de médico gestor preparado para o cargo.

Durante a reunião, o médico avaliou que o Ministério da Saúde não estaria trabalhando com dados reais sobre o novo coronavírus e propôs uma série de ações para mapear todo o país. Para Teich é preciso, por exemplo, ir a campo, principalmente nas periferias do Brasil, para identificar a população de risco.