Home Destaque Fila para adoção é 12 vezes maior do que número de crianças...

Fila para adoção é 12 vezes maior do que número de crianças em SC

Existem cerca de 3.184 pessoas que aguardam na fila de adoção de filhos em Santa Catarina. Os dados são do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), atualizados em 22 de março, e revelam que a quantidade de famílias na lista é 12 vezes maior do que a de crianças consideradas disponíveis para o Estado.

 

- Advertisement -

Segundo o CNJ, o número de pessoas em busca de adoção de filhos cresceu 8% na pandemia. A psicóloga Marina Castilho, que trabalha no setor de acolhimento do Estado, explica que a Covid-19 trouxe mudanças em relação à troca emocional e afetiva entre as famílias. Essas alterações, segundo ela, podem ter aumentado o número de pessoas interessadas.

 

De acordo com a psicóloga, em média uma criança é adotada por dia em Santa Catarina. Desde 2020, ocorreram 783 adoções no estado, uma média de 32 mensais.

 

Na pandemia

 

Tatiany Costa, de 38 anos, se tornou mãe em agosto de 2020, no início da pandemia. Ela e o marido começaram o processo de adoção em maio de 2014, mas foi só três anos depois que entraram, efetivamente, na fila. Eles buscavam um recém-nascido.

 

 

Segundo o CNJ, 80% das famílias procuram por recém-nascidos, faixa etária com menor número em acolhimentos catarinenses. A demora na adoção depende do perfil de criança escolhido pela família. A média de espera no Estado é de dois anos.

 

Em novembro de 2019, o casal estava em segundo lugar na fila de espera. Com a chegada da pandemia, em março de 2020, temiam que o processo se estendesse ainda mais. Mas não foi assim. Os dois receberam a ligação da assistente social em agosto de 2020. A bebê Olívia tinha cinco meses quando chegou aos braços da família.

 

Segundo o advogado Enio Gentil, no caso de perfis mais amplos, como crianças mais velhas e adolescentes, o tempo de espera é reduzido, podendo levar semanas ou meses.

 

Impactos psicológicos

Crianças que são entregues ou abandonadas precisam de acompanhamento psicológico. O advogado Enio Gentil lembra, no entanto, que a entrega espontânea, feita diretamente no Poder Judiciário, não é considerada crime. Diferente do abandono.

“Eventualmente, uma mãe que deseja entregar o filho para adoção, talvez esteja praticando o único ato que de proteção à ela possível, que é considerar que não tem competências e tranferir essa responsabilidade de forma regular, monitorada pelo judiciário”, defende.

 

O processo de entrega espontânea funciona a partir do setor psicossocial do fórum, que auxilia a mulher sobre a decisão e inicia uma rede de atendimentos.

 

Conforme a assistente social da comarca de Jaraguá do Sul, Maike Evelise Pacher, o impacto psicológico inevitavelmente vai existir nos dois processos. “Se for uma família acolhedora, que traga afeto, carinho e que tenha essa troca positiva, esses conflitos vão se tornando mais leves”, explica.

 

*Sob supervisão de Clarìssa Batìstela

 

Atualmente, 249 pessoas aguardam para serem adotadas em SC — Foto: Tiago Ghizoni/ NSC

 

- Anúncio -